domingo, 23 de junho de 2013

estado de alma


Todas as flores são belas. Não sei se há alguma feia, mas prefiro pensar que há apenas flores menos belas. É isso!

Hoje apetece-me receber flores. Com um cartão a dizer que ainda se lembram de mim.

Ninguém me vai dar flores é certo. Também ninguém sabe que eu pensava em receber hoje flores.

Se vier sol já é bom!

BeatriceMar6


Foto erih

domingo, 16 de junho de 2013

...



Lê , são estes os nomes das coisas que
deixaste – eu, livros, o teu perfume
espalhado pelo quarto; sonhos pela
metade e dor em dobro, beijos por
todo o corpo como cortes profundos
que nunca vão sarar; e livros, saudade,
a chave de uma casa que nunca foi a
nossa, um roupão de flanela azul que
tenho vestido enquanto faço esta lista:
livros, risos que não consigo arrumar,
e raiva – um vaso de orquídeas que
amavas tanto sem eu saber porquê e
que talvez por isso não voltei a regar; e
livros, a cama desfeita por tantos dias,
uma carta sobre a tua almofada e tanto
desgosto, tanta solidão; e numa gaveta
dois bilhetes para um filme de amor que
não viste comigo, e mais livros, e também
uma camisa desbotada com que durmo
de noite para estar mais perto de ti; e, por
todo o lado, livros, tantos livros, tantas
palavras que nunca me disseste antes da
carta que escreveste nessa manhã, e eu,
eu que ainda acredito que vais voltar, que

voltas, mesmo que seja só pelos teus livros.
.
Autor : Maria do Rosário Pedreira

domingo, 9 de junho de 2013

anoitece


anoitece
talvez sejas o mar e
eu vá descendo pelas pernas
azuis do teu corpo, como
a bola de fogo que se introduz mais dentro
nas linhas demasiadas do caderno
ou nos recônditos músculos
do oceano.


Autor : João Ricardo Lopes
In : a pedra que chora como palavras (2001)
Foto : katia chausheva


domingo, 2 de junho de 2013

(...)



(...) Por vezes é preciso esquecer para poder continuar. Esquecer, ou pelo menos afastar para um lugar onde não andem à solta, fazendo estragos, provocando sentimentos à deriva, experiências que nos fazem temer que não somos nós que temos mão sobre a vida, mas ela que tem a sua mão sobre nós.(...)


pedro paixão in «a cidade depois»