terça-feira, 31 de agosto de 2010

como a água

como a água
meu amor
também as asas nos sacodem
no final do beijo

quantas páginas faltam?

se a fronteira é das águas quem reprime a espuma
onde começa a praia?

no meu espelho o que via
era um homem de rosto voltado
de rosto voltado
para sempre
e uma linha de ombros onde as águas
e os teus lábios de espuma meu amor
me embaciavam

também ouvi chamar a isso
entardecer
idade
inclinação do sol

mas também cicatrizes ou sulcos como preferires
essa teia onde os dias marcam os seus signos
como as águas no solo meu amor
até furarem

Autor :Carlos Nogueira Fino (Inquietação da Água, 1998)
Foto:Marta Szelewa http://plfoto.com/zdjecie,portret,bez-tytulu,2102003.html

sábado, 28 de agosto de 2010

rasgos sem rima

chegas num gesto abraçado
trazes nas Mãos o pó aceso das estrelas
e o brilho do negrume precipitado
dum outro Mar...

a luz eleva-se no culminar do entardecer
tocas as Margens na abrangência dos teus braços,
demoves o Manto bordado a pérolas negras
onde um dia me perdi

a luz regressa na transparência da noite,
como uma confissão silenciada...

Autor:Cristina Fernandes http://omomentocerto.blogspot.com/
Foto: EdekLeszczyk

sexta-feira, 27 de agosto de 2010


Bem sabes que não sou capaz
de dizer adeus
porque o amor tem sempre
a impossibilidade
da despedida
por não haver nele
nenhuma forma de morrer
como a luz do crepúsculo
que quando aqui se apaga
é para fazer dia noutro lugar.

E por isso não julgues
que tenha perdido
o norte
nesta estátua de mármore
em que me transformaste
ao sul
dos teus olhos.
Como uma ostra no fundo do mar
vou depositando esta pérola no coração
para te deixar.
.
Autor : José Miguel de Oliveira http://deliriospoeticos.blogspot.com/
Foto: mooya http://plfoto.com/zdjecie,portret,sunday-morning,2097044.html

quinta-feira, 26 de agosto de 2010

esperar dói

em azul mais azul que azul

em branco mais que branco

preso a um fio de bruma

esperar dói

na agonia pendular

que o vento torna mais nua

esperar dói

mãos feitas de bruma

dedos mágicos

tocam-se no colar das bocas

esperar dói

soltem-se os lábios dos rostos

para se beijarem em liberdade


Autor : antónio paiva http://coisas-do-burro.blogspot.com

Foto:F_W_B http://plfoto.com/zdjecie,portret,bez-tytulu,2162970.html

domingo, 22 de agosto de 2010

......



É sobre o rio que me vejo inteira e nua
debruçada sobre as pedras a lavar lençóis de mágoa
memórias desbotadas de gritos sem sentido
restos de sonhos que o tempo amarrotou.
É do rio que me vem com as marés
o cheiro a mar aberto a vento e chuva fria
que um dia me revolveu e encharcou
as asas com que já não sei voar como sabia.
É no rio que desaguo a raiva de ter sido
a ponte entre margens que não quis perder
perdulária do tempo da certeza
e me encontro de novo e nova em mim.
.
Autor:Ana Oliveira http://pacodasartes.blogspot.com/
Foto:Olga Czerwinka

segunda-feira, 16 de agosto de 2010

É esta noite



Esta noite há talvez luar, cometas
e gafanhotos de asas de prata
preenchendo todo o céu.
Esta noite,
provaremos desse fruto
estranho às aves,
apenas consentido
à mordedura dos poetas,
no ardor de um qualquer Maio.
Esta noite,
todos os relógios
do mundo serão nossos:
esta noite provaremos do amor.

Autor :João de Mancelos
Entre Ausência e Esquecimento , Aveiro, Estante Editora, 1991.

domingo, 15 de agosto de 2010

As palavras são coisas # 2

Se a tua boca as diz

se no teu rosto as vejo

as palavras são coisas

quando as fere o desejo


e quando dizes mar

e quando dizes norte

não sei se não me acerco

de um bocado de morte


e quando dizes barco

ou quando dizes esfera

há águas que transbordam

e inundam a terra


as palavras são coisas

as palavras são um perigo

se acaso as pronuncias

quando não estás comigo


e quando tu adormeces

muda num sonho fundo

tudo se desvanece

e deixa de haver mundo.


Autor:Bernardo Pinto de Almeida

Foto:M-ania K

terça-feira, 10 de agosto de 2010

Infinito Amor


Depois
Os homens e os pássaros vinham
Descansar em meu regaço
Maternal e transbordante

Depois de nós, amado, tudo acresce
Tudo refloresce
Do ventre da terra
Ainda
Se sou, intrínseca, um ser melhor …

Autor :Boneca de Trapos http://emsaltosaltos.blogspot.com/
Foto:dawidowe http://plfoto.com/182015/autor.html

segunda-feira, 2 de agosto de 2010

o que sou é/distância

Sou gémeo de mim e tudo
O que sou é
Distância.
Estou sentado sobre os meus joelhos
Separado.
Aquilo que une
É um rumor.
Não descanso. Sou urgência
De outro sítio. E pudesse velar-me
Longe
Dos homens como se neles
Adormecesse.



Autor :Daniel Faria

Foto:taka ja ala

domingo, 1 de agosto de 2010

Sombras

Voltam-se as sombras sobre nós
coisas soltas, costumes muito antigos
acompanham-nos os gestos desde perto,
desenham figuras nas paredes.

A casa sossegou, o vento veloz
Em cada recanto obscuro faz jazigos
onde se perde o olhar antes aberto.
Crescem líquenes, raros musgos verdes.

As janelas fecharam-se, vazio
o quarto. Perguntas por fazer
suspendem-se da voz
para sempre remetida ao seu silêncio.

Nada pois a temer,
sombras somos nós.


Autor:Bernardo Pinto de Almeida
Foto:dudeusz